Cristian Cravinhos ofereceu moto a policiais para não ser preso: ‘Ficou apavorado’, diz PM

Cristian Cravinhos ofereceu moto a policiais para não ser preso: ‘Ficou apavorado’, diz PM

Justiça decretou prisão preventiva por ele não cumprir regras do regime aberto pela condenação da morte do casal Von Richthofen em liberdade. Testemunhas relataram agressão contra ex-companheira em Sorocaba (SP).

reso por tentar subornar policiais militares após uma confusão com duas mulheres em um bar, Cristian Cravinhos teria “entrado em pânico” ao saber que seria levado ao plantão policial de Sorocaba (SP), conforme o relato de um dos oficiais que atendeu a ocorrência.

Cristian foi preso por tentar subornar os policiais para não ser preso e estar com uma munição de 9mm, que é de uso restrito. Apesar de testemunhas afirmarem que Cristian estava com um revólver, os policiais não localizaram a arma.

Ao consultarem a ficha criminal dele, os policiais constataram que Cravinhos cumpria pena em liberdade pelo assassinato do casal Von Richthofen, em 2002.

“Estava calmo, falou bem consciente. Depois da conversa [voz de prisão] ele se espantou e ofereceu dinheiro, achou que talvez seria liberado, daí ficou apavorado”, afirma o cabo Freitas, que atendeu a ocorrência com o parceiro cabo Montoza.

Para o advogado de defesa, Cristian não descumpriu nenhuma regra do regime aberto. “Na verdade o Cristian não estava descumprindo nada. Estava na casa da namorada e como ouve uma desavença, ele não poderia ficar lá”, afirma Beethoven Oliveira.

Ainda conforme o relato dos PMs, Cravinhos teria oferecido R$ 1 mil para não ser preso e disse que o irmão, Daniel, sairia de São Paulo para entregar mais R$ 2 mil.

“Nós não aceitamos. Ele ofereceu mais [dinheiro] que o irmão traria e venderia a moto para dividir o valor com a gente”, disse o PM.

Após audiência de custódia, a Justiça decretou a prisão preventiva de Cristian, conduzido ao Centro de Detenção Provisória de Sorocaba (CDP).

Na decisão que decretou a prisão preventiva, o juiz levou em conta que ele violou algumas restrições impostas pelo regime aberto: estava fora do município em que reside (São Paulo) e estava na rua além do horário limite permitido.

Cristian Cravinhos foi preso suspeito de agredir mulher e tentar subornar policiais em Sorocaba (SP) (Foto: Carlos Dias/G1)

Cristian Cravinhos foi preso suspeito de agredir mulher e tentar subornar policiais em Sorocaba (SP) (Foto: Carlos Dias/G1)

Cristian Cravinhos estava solto desde agosto de 2017 e cumpria pena em regime aberto pela morte do casal von Richthofen. Agora, cabe à Vara de Execuções Criminais decidir se, com essa prisão, Cristian volta a cumprir o restante da pena em regime fechado.

Segundo Bethoven Oliveira, se isso acontecer, a defesa entrará com um novo pedido para converter a pena em regime aberto.

Em nota ao G1, a Secretaria de Administração Penitenciária confirmou apenas que ele foi encaminhado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Sorocaba, sem especificar em que tipo de cela Cravinhos está e nem se será transferido para a penitenciária de Tremembé (SP).

Cristian Cravinhos, hoje com 42 anos, em foto tirada nesta quarta-feira, em Sorocaba e com 26 anos, em 2012, na época do assassinato do casal von Ricththofen (Foto: Divulgação e Reprodução/GloboNews)

Cristian Cravinhos, hoje com 42 anos, em foto tirada nesta quarta-feira, em Sorocaba e com 26 anos, em 2012, na época do assassinato do casal von Ricththofen (Foto: Divulgação e Reprodução/GloboNews)

Prisão

Cristian Cravinhos foi preso na madrugada de quarta-feira (18), após ser denunciado por agredir uma mulher, apontada como sua ex, na porta de um bar em Sorocaba.

Segundo os policiais que foram acionados para atender a ocorrência, ao ser abordado, Cristian se apresentou como “um dos irmãos Cravinhos”. Uma pessoa que estava no bar, e pediu para não ser identificada, conta que viu as agressões.

“Eles começaram a discutir e ele agrediu ela, deu um soco no rosto dela, puxou pelo cabelo, jogou ela de volta no carro e continuou agredindo. Aí todo mundo se meteu, segurou ele, falou que ia ligar para a polícia.”

Regime aberto

Na época do assassinato do casal von Richthofen, em 2002, o irmão de Cristian, Daniel Cravinhos, era namorado de Suzane. O trio planejou e assassinou Manfred e Marísia Richthofen na casa da família, na zona sul de São Paulo. Os pais de Suzane eram contra o namoro da filha com Daniel.

Suzane von Richthofen e os irmãos Cravinhos foram submetidos a júri popular em 2006. Cristian foi condenado a 38 anos e seis meses em regime fechado, mas deixou a penitenciária Doutor José Augusto Salgado, a P2 de Tremembé (SP), em agosto de 2017, após ser autorizado pela Justiça a cumprir o restante de sua pena em regime aberto. A decisão foi da Vara de Execuções Criminais de Taubaté.

Daniel Cravinhos foi condenado a 39 anos e seis meses de prisão em regime fechado, mas também conseguiu o mesmo benefício em janeiro deste ano, quando deixou a penitenciária em Tremembé para cumprir o restante da pena em liberdade.

Irmãos Cristian (esq.) e Daniel Cravinhos em foto de 2006, quando foram condenados pelo assassinato do casal Von Richthofen (Foto: Vidal Cavalcante/Estadão Conteúdo/Arquivo)

Irmãos Cristian (esq.) e Daniel Cravinhos em foto de 2006, quando foram condenados pelo assassinato do casal Von Richthofen (Foto: Vidal Cavalcante/Estadão Conteúdo/Arquivo)

Suzane von Richthofen

Namorada de Daniel na época do crime, Suzane von Richthofen também foi condenada a 39 anos e seis meses de prisão, além de multa.

Em janeiro deste ano, ela obteve parecer favorável para cumprir o restante da pena em liberdade, assim como os irmãos Cravinhos. A defesa dela pleiteia o regime aberto desde junho do ano passado. Não há prazo para julgamento na Justiça, mas o documento deve embasar a decisão sobre o pedido.

Veja mais notícias da região no G1 Sorocaba e Jundiaí

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *